terça-feira, 1 de outubro de 2013

De pé atrás

De pé atrás com a vida...
Hoje acordei de pé atrás.....de pé atrás com a vida. Lendo um blog de uma amiga (vou chama-la assim mesmo), me peguei emocionado deglutindo cada uma das palavras escritas em um texto chamado "Desgosto". Sim, me sinto catabólico demais com umas coisas, e preguiçoso demais com outras.  A necessidade de uso de suplementos aumenta em casos onde não se consegue carregar comida, onde não se pode mastigar. Mas deixar de digerir nunca. Não há estoque de proteínas. Ou absorvemos o que vem do mundo, qualquer fonte de energia, ou jogamos fora. Nosso metabolismo mental pode ser manipulado pela nossa necessidade de se sobressair em algum ponto. Uns querem ser os mais fortes, ou os mais bonitos. Outros querem ser apenas saudáveis. As estratégias podem ser relacionadas ao aporte de gordura intelectual de qualidade. Não adianta absorver conteúdos saturados, aqueles que como uma gordura de picanha, vão direto participar de uma ação global de entupimento venal e arterial. Por períodos longos me vi preferindo a ansiedade de sentir fome, sem qualquer limite com relação aos excessos; malhar em excesso, amar em excesso, sofrer em excesso, se for demais, afoga. Sem conhecer a fonte não dá pra confiar. Por isso o pé atrás. Com a vida. As muito feias que perdoem, beleza é importante demais, o que mais? O que é que há, diz pra mim o que é que há.....o pé atrás não é com a vida. É comigo. Posso sair para me alimentar, mas meu canto não pode ser ouvido de tão longe. De volta ao mundo real, a uma curva mais estável, agradeço poder estar escrevendo isso, poder expelir para fora de mim, o que um furinho no calcanhar e algumas gotas de sangue não diriam nunca. Meu diagnóstico é meu. Eu sei onde ele anda.  Ele vaga, eu vago, sozinho, no centro de um coração hoje sequelado e dolorido pelas provas que passou. E ainda passa. Me sinto motivado a continuar um pouco mais esta estadia efêmera, por este conjunto habitacional, esta casa geminada, que já nem sei mais quem controla, quem governa. Passei a me perguntar, que parte de minha vida está verdadeiramente sob meu controle? De pé atrás. Quero ler a bula.